...

Porque palavras não se falam... se Vomitam

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Pessoas velhas?


Acabo de chegar em casa, e antes de qualquer coisa, abri o editor de texto e resolvi escrever sobre os quinze minutos que se antecederam, bom, pra ser mais preciso, sobre a minha vinda pra casa, eu andei durante cerca de quinze ou dezesseis minutos, e algo me chamara atenção.

Nesse caminho, passei por algumas pessoas, cidadãos comuns, jovens, crianças, adultos, todos isolados nos seus mundos, pensando nas suas vidas, em problemas, em amores, em trabalho, em nada. Mas eu recebi exatos quatro cumprimentos nesses poucos minutos, de quatro estranhos, quatro pessoas que eu nunca tinha visto quatro senhores idosos, com mais de 65 anos certamente.

O primeiro estava com uma camisa surrada, uma calça social azul escura, e um boné cujo logotipo impresso na frente não pude perceber, andava meio arcado, passou ao meu lado, fitou bem meu rosto e falou “Boa Tarde”, de forma firme e espontânea, e assim foi correspondido

O segundo estava com uma calça social e uma camisa azul por dentro, a camisa estava torta e uma ponta não tinha entrado totalmente na calça, este parecia muito mais velho, passados oitenta anos, olhou-me rapidamente e disse “Opa”, eu sorri e respondi da mesma forma, e ele entrou apressado na mercearia ao nosso lado.

O terceiro, cerca de cinco minutos depois, estava empurrando uma bicicleta Monark, com as costas arcadas, sorriu pra mim e deixou brilhar um dente de ouro no canto da boca, dizendo uma “Boa tarde” alegre, como se fossemos amigos de infância, eu sorri e respondi, e ele passou por mim animado, como se o dia estivesse maravilhoso para ele.

O quarto foi o que mais me chamou a atenção, este, com barba grisalha e bem grande, estatura baixa, um cabelo comprido, com um boné na ponta da cabeça, deixando aparecer o cabelo há dias sem lavar, carregava um saco nas costas com algumas coisas que não pude identificar, roupa suja e velha, ele era um mendigo, passou por mim, me olhou bem fixamente, e eu é que disse “Boa tarde” sorrindo, o homem abriu uma expressão impressionante, sorriu com a falta de uns dentes, mas de forma aberta e espontânea, e respondeu alegremente “Boa Tarde!”, e continuamos andando.

Ao lado o ultimo passava um garoto, uns 16 anos, bem vestido, camiseta branca e calça jeans, tênis de marca, e um cabelo bem tratado, talvez tivesse tudo para sorrir, mas assim como muitos outros passou sério, cara fechada, talvez ele fosse o dono do mundo e eu não sabia...

Enfim, eu sou o que vai sempre dizer “olá” para qualquer senhor na rua, senhores, muito mais jovens que muitos garotos de 16 anos por aí, esses senhores são muito melhores, e com certeza muito mais felizes, eles têm uma felicidade pura e imparcial. Prefiro ser um velho pobre e ma vestido de 80 anos, do que ser um Filho da puta. E você?

5 comentários:

  1. Tentei várias vezes fazer um comentário pra esse post. Mais não consigo.
    Ficou ótimo.

    ResponderExcluir
  2. Impressionante de verdade como algumas pessoas passam tão indiferentes por outras sem qualquer motivo pra isso, não?
    O bom não se encontra em bens materiais e muito menos tem a ver com arrogância. Amei demais o texto :) Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Obrigado garotas..
    é Daniella, não se encontra tbm em idade, ou condição social, ou se abotoa a camisa errado...
    prefiro os sorrisos e expressões...
    abraços

    ResponderExcluir
  4. As pessoas deveriam simplesmente sorrir mais
    e saber que a vida vai acabar um dia
    ótimo texto

    ResponderExcluir
  5. Eu tava olhando minha página MeAdiciona e vi que tu tinha me adicionado lá... Aceitei e gostei do teu blog :) to te seguindo.
    :*

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...